7 coisas que arruinarão sua oratória

Conheça agora os 7 quesitos que podem levar sua oratória ao fracasso

Apresentar-se a um público por si só é uma grande responsabilidade, e se você for um orador inexperiente diante de uma plateia, as coisas ficam ainda mais tensas. Mas claro, sempre há uma maneira de organizar tudo e fazer com que sua apresentação esteja no gatilho para realmente ser um sucesso. 

E para isso, antes de saber o que você deve fazer para conduzir sua oratória ao triunfo, eu o aconselho a entender o que você não deve fazer para que a sua exibição não se torne algo desprezível. Sendo assim, eu preparei este artigo para você elencando 7 pontos que, se não observados, podem arruinar sua oratória.

Confira o sumário do conteúdo, e bom aprendizado!  

Não planejá-la
Ficar ansioso antes da apresentação
Fazer uma introdução fraca
Transmitir nervosismo na locução
Não se expressar durante a fala
Não interagir com a audiência
Sair fora do cronograma

Não planejá-la

Se para qualquer coisa na vida o planejamento é importante, na oratória ainda mais. Não planejar o conteúdo que explanará, o tempo para cada parte da sua exibição e todos os pontos e detalhes que envolvam sua apresentação, certamente fará com que sua fala se perca, fique sem direção, não transmitindo credibilidade e segurança aos ouvintes.

Trabalhe em um planejamento no mínimo convincente para sua oratória. Estruture, e se for possível, faça 2 tipos de planejamentos simultâneos, e ao fim, analise qual será o melhor para a sua performance e para o conteúdo que abordará. 

Lembre-se, a confiabilidade da sua apresentação depende plenamente de um bom planejamento, e a sua segurança durante o discurso também necessita disso. Alguns outros pontos aqui mencionados poderão até ter um efeito relativamente menos nocivo à sua explanação, mas, planejar a sua oratória é a pedra fundamental, o alicerce principal desta obra.  

Ficar ansioso/ansiosa antes da apresentação

A ansiedade em sua versão patológica é um tipo de nervosismo intenso que gera sofrimento antecipado por medo de algo que acontecerá. Nesses casos, obviamente, torna-se necessário a busca por auxílio médico, porém, todos nós em seus níveis peculiares demonstramos sinais de ansiedade diante de desafios.

Um receio de que algo não dará certo, uma insegurança em não se sair bem durante a fala, dentre outras coisas, podem desencadear uma ansiedade prejudicial para a sua oratória. O ideal é detectar esses sintomas e trabalhá-los da melhor forma possível até o dia da apresentação.

Busque técnicas, métodos e até mesmo instrução profissional para lidar com uma provável ansiedade que possa desestabilizar sua confiança no ato da exibição. Trabalhe bem o conteúdo a ser exposto, domine o assunto que irá abordar, deixe tudo organizado e nos devidos conformes, pois, dessa forma, você se sentirá mais seguro e confiante, e sua preocupação em falhar durante a atuação será menor.

Fazer uma introdução fraca

A introdução é a sacada, a primeira impressão, a porta de entrada de uma palestra. A introdução tem o poder de gerar expectativa sobre a apresentação, e contrapartida, também pode suscitar uma certa insegurança e até mesmo momentânea frustração na plateia. Isso dependerá da qualidade da abordagem introdutória da mensagem.

Trabalhe muito bem sua introdução. Dedique-se em planejá-la de maneira que consiga transmitir confiança e autoridade de maneira natural e fluida. Não tente querer impressionar inicialmente com a forma como você fala, mas foque em estabelecer de maneira objetiva o porquê você está ali e o que as pessoas obterão com a sua exibição.

Uma boa introdução consiste em 3 estágios estruturais, que são:

  • apresentação pessoal;
  • prólogo do conteúdo;
  • resultado que o público obterá.

Na introdução é o momento ideal para “quebrar o gelo”, e você pode deixar de lado a fala intensa e persuasiva e adotar uma linguagem mais leve e descontraída, gerando assim simpatia e identificação do público. Agora que estamos na metade do artigo, você não perderá os próximos tópicos que serão decisivos para a qualidade da sua oratória, não é mesmo? Então, siga o conteúdo!

Transmitir nervosismo
na locução

Não são todos os oradores que são desenvoltos por natureza, pelo contrário, a maioria dos palestrantes precisam trabalhar este quesito para dar fluidez à transmissão de suas mensagens à plateia. O primeiro passo é reconhecer a sua instabilidade pessoal diante da tarefa de ter que ministrar para um público.

É importante trabalhar também essa questão. Uma dica é fazer ensaios com uma quantidade pequena de pessoas, por exemplo, reúna familiares e explane algo com o intuito de realmente treinar sua locução em público. Outra sugestão para você é gravar vídeos nos quais você terá a possibilidade de encenar a realidade de transmitir sua mensagem para uma audiência.

Uma instrução que deixo aqui para você é falar pausadamente, com serenidade, mantendo o controle de sua respiração. Se você tem dificuldades em manter o domínio da sua fala diante de um público, e se sente ofegante, com batimentos cardíacos acelerados, é necessário exercitar o equilíbrio dos seus instintos de forma que você consiga domar e conduzir o seu corpo, suas ações e expressões.

Você sabia que o nervosismo em sua oratória pode engessar todo o potencial de sua apresentação? Expressar-se durante a fala é um dos critérios fundamentais para cativar e persuadir os seus ouvintes, e é sobre isso que falarei agora. Acompanhe!

Não se expressar
durante a oratória

Sabe aquela palestra entediante, monótona, incapaz de gerar envolvimento das pessoas com a mensagem transmitida? Pois é, pode ter certeza que o comportamento do orador durante a fala tem parcela considerável em uma apresentação reputada como ruim. 

As expressões físicas durante a fala chamamos de comunicação corporal, a qual exerce um papel muito importante na atração de uma audiência na palestra. Uma locução sem expressão é como assistir TV em preto e branco, ou ver um vídeo em modo mudo; parece que algo não está batendo, falta um “tchã” no negócio.

Muitas vezes, o orador tem potencial e o conteúdo é bom, porém, a inação em transmitir sua mensagem desvaloriza o teor e bloqueia toda eficiência. Portanto, exercite sua desenvoltura, sua gesticulação e movimentação corporal. Assista alguns vídeos de palestrantes para obter um exemplo de como se comportar em um discurso.

É importante manter sua autenticidade e não tentar imitá-los, mas tê-los como modelos para um comportamento eficaz como ministrante. Articule seus movimentos com as mãos enquanto está falando. Procure se movimentar durante o discurso, seja dinâmico e interativo com a plateia e gradualmente a terá cativa ao seu propósito.

Por falar em interação, esse é o tema do próximo tópico. Veja a importância do dinamismo e da interatividade durante a oratória!

Não interagir
com a audiência

O ato de dialogar com a sua audiência e não apenas torná-los espectadores de sua exibição é um método fundamental para o sucesso de sua atuação. As pessoas estão cada vez mais dinâmicas, agitadas e imediatistas, e dentro disso, sua oratória precisa ter vertentes de interação e relacionamento com os seus ouvintes.

Realmente, é preciso demonstrar a importância daquele público para você, afinal de contas, com um fluxo gigantesco de informações e possibilidades no dia a dia, pessoas que separam quarenta minutos, uma, duas horas para sentarem e ouvirem um discurso realmente devem ser valorizadas.

Uma dica é fazer interações do tipo em que o público decidirá algo, por exemplo: você chega em determinada altura da sua apresentação, e, para prosseguir adiante, você tem duas opções: abordar o tema A ou o B. Nesse ínterim, você entra abrindo diálogo com a plateia, fazendo ali de maneira descontraída e dinâmica uma interação onde a própria plateia definirá qual será o caminho sequencial de sua mensagem dentro do tema pautado.

Vamos finalizar este artigo sobre as 7 coisas que podem arruinar sua oratória? Confira o último e importantíssimo tópico!

Fugir do cronograma

O cronograma é uma ordem que expõe o tempo em que cada atividade será executada. No caso da oratória, está diretamente ligado ao planejamento, sendo de suma importância. Um cronograma bem definido conduzirá o tempo total de sua exibição, o tempo parcial para abordar cada tópico e especialmente será uma espécie de bússola que o direcionará durante a palestra.

Se, não elaborar um cronograma para uma apresentação é praticamente descartar as possibilidades de êxito de sua mensagem, criar um cronograma e não cumpri-lo durante sua exibição terá o mesmo efeito negativo para sua oratória. Um bom cronograma elaborado e executado transmitirá credibilidade à plateia.

Assim como no planejamento, elabore duas ou três opções de cronogramas para sua oratória, e identifique a melhor. Atente-se em cumpri-lo à risca durante sua fala. Uma dica para criar um bom cronograma para ministrar um conteúdo é definir a sua estruturação básica, sendo: introdução, desenvolvimento e conclusão, e, dentro de cada bloco dessa estruturação estabelecer em tópicos uma ordem adequada de execução para a sua oratória.

Neste artigo você aprendeu as 7 coisas que poderão falir sua oratória. Planejar bem o conteúdo a explanar, trabalhar corretamente a introdução, manter o autocontrole e interagir com a audiência são os pilares que estabelecerão o êxito de sua palestra.

Agora que você já sabe o que fazer para não arruinar sua oratória, e por conseguinte, sua reputação profissional, que tal propagar este conteúdo de utilidade nos seus grupos profissionais? Se este artigo foi relevante para você, compartilhe-o em suas redes sociais!  

André Nery

André Nery é empresário que atua na área de desenvolvimento humano há 11 anos. É Master Coach, Master Practitioner e Trainer em PNL, profissional de marketing, conferencista e idealizador de uma série de programas que tem ajudado pessoas a terem melhores resultados em suas vidas.

Últimos posts por André Nery (exibir todos)

Open chat
Olá 👏... podemos te ajudar?